sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

A desculpa é exatamente a desculpa...

Já percebeu que nós, seres humanos, sempre buscamos uma desculpa para fugir do protocolo? É como se a oportunidade fosse sempre um motivo para escapulidas pessoais. Depois do erro, ao invés do arrependimento, vem um sentimento de "existem outros mais errados do que eu".

A festa de aniversário do seu filho vira um motivo para quebrar aquela dieta que você até hoje não sabe porque insiste em mantê-la. "Já quebrei a dieta mesmo. Vou comer e amanhã eu começo de novo". A oportunidade apareceu. Não é pecado quando todos fazem.

Mas, no meu ponto de vista, não existe uma desculpa mais oportuna do que o carnaval. Um motivo para ter uma folga do trabalho. O feriado que mais representa a cultura brasileira no exterior não passa de uma desculpa para fazer o que não se deve, mas se todo mundo faz que se dane o incorreto.

A nudez ganha poder até nos educadores das crianças desse novo século: a televisão está poluída, mas tudo nessa época está. O erro é da programação? Claro que não. A televisão é um espelho do que telespectador quer. Nunca passará nada que a sociedade não queira assistir. A verdade é que a festa deixou de ser folclore e, como a maioria das coisas boas do país, baixou o nível. Virou a desculpa. Dia de libertar o obsceno. Um dia em que tudo é permitido, afinal é carnaval.

Sou completamente a favor da cultura, mas será que a extinção do conceito popular e a quebra das limitações éticas são realmente necessárias? Se existe uma classificação indicativa que diz que não os programas indicados para maiores de 18 anos devem passar depois das 22 horas, por que é permitido exibir mulheres nuas em pleno horário de almoço? Temos uma desculpa hoje para fazer o peculiar. É carnaval. É cultura. Uma cultura que sinceramente, se fosse pai, gostaria de economizar meu filho.

Vamos as ruas. Vamos comemorar. Vamos sair com nossas roupas coloridas e máscaras, ou até mesmo sem elas. Faça o que seu corpo pedir, pois é carnaval. Todo tipo de orgia é perdoável diante dos erros dos outros, ou pelo menos é o que o mundo prega.

Um comentário:

JG Costa disse...

Assino em baixo meu broder, é fácil errar apoiando-se nos erros dos outros!

Abraços!